segunda-feira, 7 de abril de 2008

Quando mais eu rezo...

Mais uma vez, Ive me proporciona um bom post. É incrível o que acontece com gente que abraça a zica e nem sabe por que esses acontecimentos lhe assombram...

Seguia sua rotina normal, saía de casa rumo à faculdade, quando foi abordada por um meliante mal intencionado na esquina:

- Oi moça, tudo bem com você?

Ivelize não sabe se acredita que é com ela, se tomou chá de cogumelo e se cheirou muito orégano na pizza de ontem a noite, então segue sem responder, como se nada tivesse acontecido.

Porém, o ameaçador cidadão lhe aborda furtivamente de forma agressiva e incisiva de jeito que ela não consegue escapar da indagação – Ei moça, você quer comprar uma prancheta?

- Vi que você tinha um tubo nas costas, estou vendendo uma prancheta A0, tá novinha; quer?

Ive se sensibilizou com o marginal. Ouviu sua história; o quanto pagou na prancheta, por que comprou aquela desgraça, quando comprou, para quem comprou e como o fez. Foi um festival sobre a prancheta.

Ive se sensibilizou tanto que, sem titubear, apertou o passo até o metrô e praticamente como uma ninja, fez de tudo para despistar o nosso terrível vilão, na fila da catraca.

Mas os esforços de nossa heroína não foram suficientes – Maradona que o diga – de repente, ele aparece logo atrás da desprotegida Ive!

- Eita, tinha te perdido de vista, bichinha!

Ambos ultrapassam a catraca, sobem a escada rolante, até que Ive se dirige ao fundo da plataforma e tenta uma tática da Al-Qaeda para se livrar de seu perseguidor:

- Tenho que ir pra frente, a escada fica pra lá! Tchau! (Muita ênfase nesse tchau!)

E Ive deu meia volta e saiu correndo como se fugisse de um leão faminto no meio do Congo.

Depois de um tempo atordoado, nosso vilão dá por si e tenta uma manobra de recuperação. Mas foi tarde demais. Ele deu de cara na porta, e Ive ficou dentro do vagão, tirando um sarro terrível do nosso pobre meliante vendedor de prancheta.

2 comentários:

Laís disse...

inusitados seus posts...
e muito interessantes!
o modo de perceber as coisas, e relatá-las.]
obrigada por mostrar o outro prisma
=)
bjo

Maria Clara disse...

hahahahaaahaha!!! tadinho do vendedor... pobrezinho!!!! marginal hahahahah quanta maldade no seu coraçãozinho!!!
beijocas, adorei como sempre!


entra no meuuuuuuuu?